2 de novembro de 2007

Uma definição sobre a mulher.


Achei por acaso uma agenda de 2005, entre os compromissos que não poderia esquecer , tem um trecho do livro A queda de Atlantica escrito por Marion Zimmer Bradley.


A mente de uma mulher é estranha. Ela tem um grau maior de sensibilidade; seu próprio corpo reage à influência delicada da lua e dos mares. E possui desde que nasce, toda a força e receptividade que um homem leva anos e investe o sangue de seu coração para adquirir.
Mas quando o homem se empenha em ascender, a mulher tende a se acorrentar. O casamento, a escravidão do desejo, a brutalidade do parto, a servidão de ser esposa e mãe... E tudo isso sem protesto!
Ainda mais, ela procura tudo isso e chora se lhe é negado!

Sacerdote Riveda.

19 comentários:

Dr. Fácil disse...

... Quando o homem se meteu tudo ficou ruim. Uma opinião lésbica essa do Sacerdote, né? mas totalmente valida também. O que eu acho é que um nasceu para o outro, mas não pra qualquer um, off course. Beijos

Blog do M@rcondes disse...

A Queda de Atlântida mantém vivo o mito de uma tragédia quase grega. Não me esqueço de Deoria e Domaris, filhas do Sumo Sacerdote Talkannon e também das Brumas de Avalon da mesma Marion Eleanor Zimmer Bradley.
Estabelecer critérios, delimitar espaços, exigir direitos são tópicos de igual valor e necessários como tempero para se saborear o prato da vida em comum. As vezes os olhos da gente vêem as coisas pela lente do estado de espírito, que nem sempre refletem a realidade e sim o apenas nosso interior.Abraços!
A propósito, não sei quem nem como, mas detonaram o blog do remelento!

S disse...

Oi Rosa, me identifiquei!
Eu estudo que nem uma corna, quero ser independente, não quero ser taxada, nem rotulada, quero meu espaço, meu dinheiro, entre tantas outras coisas. Mas me nego a abrir mão de casar e o do desejo de ser mãe.
Acredito que uma coisa nao exclui outra, mas torna a nossa rotina ainda mais pesada, pq temos que ser mães, mulheres, donas de casa, trabalhadoras e ainda por cima estar lindas, cheirosas e gostosas para enfrentar a concorrencia que anda cada dia mais desleal.
Não sei onde vamos parar com isso...
E os 30 está chegando de mansinho, não casei, nao sou mãe e assim como minhas amigas da mesma idade e em igual condição, isso está afetando minha auto-estima. É sério!
Tô vendo sua fotinho alí no canto e é uma menina!!!
Nem dá para acreditar que tem dois pimpolhos!
Beijos

Psykhé disse...

é....amarramos nossos proprios nós.Adorei esse texto, tu nem imagina o quanto caiu bem pro meu momento atual ehehe. Mas sabe o que eu acho? É dificl ser mulher e livre, quando o mundo todo diz que isso está errado. A gente cresce ouvindo que se não casar e tiver filhos tem algo errado com nós.Vira obrigação e não escolha. Que merda.
Beijão

S disse...

Oi rosa, to passando aqui para avisar que te linkei!
beijos

Jana disse...

Um texto bem interessante...

Beijos

Ricardo Soares disse...

interessante seu texto e gratificante sua visita ao meu blog... te linkei... beijo e aparece sempre
ricardo

Blog do M@rcondes disse...

Veja o banner do teu blog que criei para a minha lista. Se não gostares, da um alô, ou mande a idéia que dou um jeito noutro.

ELEFANTE disse...

Creio que independente da época e da tecnologia que nos cerque, homem e mulher sempre vão querer simplesmente ser homem e mulher, hoje muita gente deixa os sonhos naturais , pra ser o que o "mercado" pede, resultado:
solidão, banalização da família, às vezes dinheiro bombando na conta, mas sempre se sentindo pobre na conta da alma.

Paulo disse...

Nem sempre é assim. Nos dias de hoje a mulher também já pensa na carreira.

Dr. Fácil disse...

Passando pra dar um oi. Mas cade você? Se é umas férias, aproveite mesmo. Porém espero que volte logo... beijos

Dani Vidal disse...

Nossa..
de forma simples e direta isso é ser mulher. Embora limitar seja algo inapropriado, foi muito doce esse trecho que você citou.

Poeta da Lua disse...

rosa, saudade de você...
então vim para deixar-te
um abraço e um sorriso.
é de sonho que se tece o meu caminhar...
ainda caminho ao longe para descobrir a cor do amor...
até uma próxima vez...


ps.: ainda estou ausente

ELEFANTE disse...

Rosa cade você???

Blogildo disse...

No começo dos anos 90 eu adorava M.Z.Bradley. Comecei a ler mitologia grega - por incrível que pareça - depois de ler "O incêndio de TRóia".

Falando nisso também falei de mulher hoje!

Som Do Silêncio © disse...

Vim deixar um beijinho e desejar uma optima semana

Blog do M@rcondes disse...

E ai? Pode ser ou tá difícil? Greve? Férias? Licença prêmio? Pácto de silêncio? O computador pifou? ez as unhas e não pode escrever? Não pagou a energia e cortaram? Cortaram a linha telefônica? Ficou amnésia? Foi para o Japão e tentou aprender falar em japonês, não conseguiu e esqueceu o portugues? Vamos blogueira, dê os ares da graça!!!
Abraços!

Rafaela Silva Santos disse...

É verdade Rosa e como perseguimos tudo isso.Vejo que até não é ruim, se fosse mesmo ninguém desejaria tanto...beijuuss

Ana disse...

Oi!

Tive de restringir o acesso ao meu blog por vários motivos, no entanto, tenho estado a enviar convite para quem lá costumava passar.
Se quiseres continuar a ter acesso ao blog, preciso de saber o teu mail.
Podes responder para ana.c.d.morgado@sapo.pt

Bjinhos