30 de outubro de 2007

Lar doce lar.

Ontem fui dormir a uma da manhã, final de mês já sabe fazer contas e mais contas, cortar despesas, apertar aqui e ali no bom jeitinho brasileiro mas pelo jeito vou ter que ler muito romance barato para terminar esta casa, que ainda não esta nem a metade pronta e não temos nem previsão, o pedreiro trouxe a metragem do piso, vai ser uma cacetada, pra piorar o cimento subiu e falta terminar o murro, vou esperar esta crise passar.
Vou começar o ano sendo contribuinte de CPMF, pois é, adiei o que pude para abrir uma conta no banco, mas pelo jeito o cartão de crédito será inevitável, limite e talão de cheques nem pensar, o objetivo é guardar dinheiro e o que não tiver um bom desconto à vista e for parcelado sem juros no cartão, vou pagar a perder de vista (hehehe) este é o objetivo da conta.
Segundo li no final do ano a tendência do material de construção é abaixar, mas “na história deste país”nunca se sabe.Agora me resta torcer para os preços caírem, a comissão subir, e cumprir a meta deste ano que é o piso, e nem pensar nas tintas, no resto das calhas, no pedaço do murro, nos portões, vidros da janela e portas, pia e vaso...
Se pensar muito vou ficar assim:






Insônia

Não durmo, nem espero dormir.


Nem na morte espero dormir.
Espera-me uma insônia da largura dos astros,


E um bocejo inútil do comprimento do mundo.
Não durmo; não posso ler quando acordo de noite,
Não posso escrever quando acordo de noite,
Não posso pensar quando acordo de noite —
Meu Deus, nem posso sonhar quando acordo de noite!

Álvaro de Campos ou se preferir Fernando Pessoa.

7 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Minha querida, sou expert em apertos. Tenho certeza que teu sonho sai sim.

Dr. Fácil disse...

Tem tantas coisas da nossa conta que até bate um pavor às vezes. Daí que a gente percebe como a vida é valiosa, né? As noites nos assustam, parece que a paz esta no inferno. Mas isso passa e vai valer a pena depois. Tô vendo no seu rostinho bonito. Beijos.

Blog do M@rcondes disse...

Todo o esforço é válido no sentido de se atingir os objetivos. Ávida sem ideais e metas é praticamente vazia. Passei por essa mesma situação e posso te dizer por experiência que a melhor atitude é parar tudo. A nossa ansiedade em ver as coisas concluídas, bonitinhas como a gente planejou e sonhou nos leva a cometer “erros de percurso” que depois ficam salgados. Mergulhei fundo e perdi noites de sono, arrumei gastrite, tive que me desfazer de bens de maneira rápida e, portanto perdi dinheiro sem contar que a gente envelhece antes do tempo. O nosso problema é pessoal e como não temos como nos ver livre de nós mesmos a intensidade da cobrança além de constante é muito maior.

Paulo disse...

O jeito é deixar passar um dia de cada vez

Blog do M@rcondes disse...

Quando te falei a respeito de um remelento maconheiro, acho qu estranhastes, mas é dose ou não é?
http://blogdomrcondes.blogspot.com/2007/10/voc-acha-que-os-consumidores-de-drogas.html

ELEFANTE disse...

A própria caminha em si, é algo que no momento mostra-se penoso, mas depois vimos que além do nosso objetivo alcançamos muito mais.
Abraços do Elefante

Poeta da Lua disse...

hummm,
não...
não mesmo!
barato,
engraçado,
caro e raro...

rosa... rosa...

beijo-te!