7 de julho de 2007

Paciência.


O exercício da paciência, neste tempo de caos esta virando realmente uma incursão dentro de si mesmo, se você parar e pensar não temos paciência com nada nem para ler um texto ridículo como esse (hahahahaha).

Ando vendo tanto disparate, tanto comodismo, e falta de raciocínio de que tenho vontade de sair correndo; gritando e puxando os cabelos (já imaginou a cena), e temos sempre que reclamar, o exemplo mais obvio é sobre o tempo se parar e olhar a cada duas pessoas, três reclamam do tempo (se inclua na conta), se chove, se faz sol, se é pouco ou muito, eu convivo diariamente, nove horas por dia com gente, e concluo reclamando (obvio) é que estamos em busca de uma perfeição e uma utópica felicidade eterna, um modelo que só funciona na TV e em romances baratos, somos influenciados diariamente com corpos magníficos, cabelos lisos, corpos magros e sarados e inconscientemente ou não, isto passou a ser o essencial em nossa vida, nos esquecemos que a felicidade (se isso existe mesmo) ou prazer na vida, que pode estar esta nos pequenos detalhes, em se apreciar algo que realmente te preencha, estamos tão supérfluos e preguiçosos que o computador até corrige nossos textos (e consequentemente esquecemos de como se escreve corretamente). Vivemos em nosso mundinho cheios de rótulos, digo rótulos porque sempre tem a chata, a gorda, a bicha, a mal amada entre outros que gastaríamos muito espaço.
E sempre queremos mais, sempre cobramos mais, desejamos mais, e temos sempre que reclamar. Então me pergunto:

Qual o conceito verdadeiro de ser feliz?
Onde descobrimos que somos felizes?
Quando percebemos isso?

A resposta é um grande silencio, ou um grito de desespero pela perda. E tudo tem um valor e significado maior. Então não espere passar, viva o agora intensamente, seja feliz hoje, sinta prazer até nos problemas diários e ria de si mesmo.

8 comentários:

Frederico disse...

hahah seria mais um exercico do auto controle hehe nunca li esse livro não.... mais obrigado pela dicaaa hehe

Psykhé disse...

Adorei a casa nova!
Bjo

Ana disse...

Pois eu tive paciência para ler este texto!;-))

Mas é verdade, o dia a dia deixa-nos sem paciência para muita coisa e, muitas vezes, para o que deveria ser mais importante!

Beijinhos

ELEFANTE disse...

Poxa seu blog ta chique, gostei da sua reflexão, e também do seu perfil.Vou mandar um livro de receitas da dona esfera pra vc. abraços

AcidoCloridrix disse...

Vale a pena pensar nisso,,,,, e muito seriamente,,,, HCL

ricardo disse...

bom acho q esse mundo ta ficando cada dia mais fora dos eixos, o unico rotulo que gosto é o de cretino, o resto não rotulo e se me rotularem tb não me importo, to dando banana pra gente babaca e pior q parece q o mundo embabaqueceu...mas tem salvação...ou não??? beijosssssss

p.s: gostei mt desse pretinho basico e do novo espaço

http://noelevador.zip.net
http://vidacretina.zip.net

Paulo disse...

Ser feliz minha amiga, a meu ver, está num estado da alma, de sentirmo-nos felizes como somos e com aquilo que temos, nada mais. O "problema" está na sociedade ao tentar criar utopias sobre o tema, como se ser magra e esbelta seja sinonimo de felicidade (por vezes até são muito tristes) ou no ser possuidor de muitos bens materiais. Certas pessoas vivem numa felicidade que por vezes invejo, já que com "menos" do que eu, sentem-se felizes, ao contrário de mim e outros que achamos que não somos felizes porque, por vezes, nos falta isto ou aquilo. Por vezes, algumas mas não muitas, apesar de não ser infeliz, sinto aquela felicidade que não se compra, não se vende e não se acha...acontece e pronto.

Ricardo Rayol disse...

somos todos escravos do tempo e do destino. e a paciência é um tributo alto demais as vezes.