18 de agosto de 2007

Realidade e a Moça da Janela.



Realidade


Sim, passava aqui frequentemente há vinte anos...

Nada está mudado — ou, pelo menos, não dou por isto —

Nesta localidade da cidade ...

Há vinte anos!...

O que eu era então! Ora, era outro...

Há vinte anos, e as casas não sabem de nada...

Vinte anos inúteis (e sei lá se o foram!

Sei eu o que é útil ou inútil?)...

Vinte anos perdidos (mas o que seria ganhá-los?)

Tento reconstruir na minha imaginação

Quem eu era e como era quando por aqui passava

Há vinte anos...

Não me lembro, não me posso lembrar.

O outro que aqui passava, então,

Se existisse hoje, talvez se lembrasse...

Há tanta personagem de romance que conheço melhor por dentro

De que esse eu-mesmo que há vinte anos passava por aqui!

Sim, o mistério do tempo.

Sim, o não se saber nada,

Sim, o termos todos nascido a bordo

Sim, sim, tudo isso, ou outra forma de o dizer...


Daquela janela do segundo andar, ainda idêntica a si mesma,

Debruçava-se então uma rapariga mais velha que eu, mais

lembradamente de azul.

Hoje, se calhar, está o quê?

Podemos imaginar tudo do que nada sabemos.

Estou parado físisca e moralmente: não quero imaginar nada...


Houve um dia em que subi esta rua pensando alegremente no futuro,

Pois Deus dá licença que o que não existe seja fortemente iluminado,

Hoje, descendo esta rua, nem no passado penso alegremente.

Quando muito, nem penso...

Tenho a impressão que as duas figuras se cruzaram na rua, nem então nem agora,

Mas aqui mesmo, sem tempo a perturbar o cruzamento.


Olhamos indiferentemente um para o outro.

E eu o antigo lá subi a rua imaginando um futuro girassol,

E eu o moderno lá desci a rua não imaginando nada.

Talvez isso realmente se desse...

Verdadeiramente se desse...

Sim, carnalmente se desse...


Sim, talvez...


Álvaro de Campos


Eu adoro este quadro a primeira vez que o vi tinha uns treze anos ganhei do meu pai um livro de bolso sobre o Salvador Dali e esta moça a janela me chamou a atenção. Na maioria das vezes me sinto assim como uma mera expectadora de mim mesma e como diz o poeta a juventude cruzando com a maturidade não se reconhecem. Então lá se vai mais uma primavera e eu aqui olhando ela passar tentanto viver na realidade.


11 comentários:

Ana disse...

Lindo, este texto!

Também me acontece frequentemente... ver uma foto minha, passar por um lugar, encontrar alguém dos tempos passados, e simplesmente não me reconhecer.
O tempo passa e nós mudamos, crescemos. As lembranças ficam, mas muitas vezes perdemos o cheiro, o toque e o paladar que um dia tiveram para nós.

beijinhos

Blog do M@rcondes disse...

Rosa:Clinto, Renan e Cebolinha... Todos se ferraram por causa de uma Mônica, hehehe! Era só passar o mouse clicando, ou selecionando para ver...hehehe! Abraços!

ELEFANTE disse...

O tempo é engraçado , os dias vão passando, a vida também vai, e as lembranças vão enchendo nossa mente .O que ganhamos o que perdemos? Enfim diante de tudo, da efêmeridade da vida, procuro guardar a fé . Abraços

AcidoCloridrix disse...

O texto está lindo,,, e a foto também,,,, já a vi em qq lado,, mas um pouco diferente acho!!!!
Queres dar uma olhada????
Link: http://sexohumorprazer.blogspot.com/2007/06/arte-pintura-leo.html
Beijocas,,,, HCL

AcidoCloridrix disse...

Ora viva???? Para já,,,, venho informar que estão respondidos e anexados ao Dicionário do Sexo todos os comentários às letras A, B e C (Abstinência. Bisexualidade e Cunilingus),,,,, e que abrimos mais um debate na Letra D – “Disfunção Eréctil”, esse mal que atormenta tantos homens mas que muitos não querem assumir!!!! Como sempre, gostaríamos de ter o teu sábio comentário e voto na matéria….. Obrigado,,,, HCL …. Link: http://sexohumorprazer.blogspot.com/2007/08/dicionrio-do-sexo.html

ricardo disse...

eu adoro os heteronomios do fernando pessoa, bom 20 anos atars eu nao lembro...mas se for comparar a criança q eu era e o adulto q eu sou..acho q fica sempre a mesma essencia...oq mudou foram os sonhos...gostei mt do texto...me fez pensar em quem eu era...beijossssssss

http://noelevador.zip.net
http://vidacretina.zip.net

Blog do M@rcondes disse...

Felizes são aqueles percebem o passar do tempo e mais ainda são outros tantos que notam o que acontece desde que o sol nasce até ele se por. Mas são mais realizados e usufruem da vida em sua plenitude, aqueles que quando de olhos fechados continuam a viver através dos sonhos. Abraços!

Ricardo Rayol disse...

Escolheu bem. Muito bem.

Rafaela Silva Santos disse...

Boas palavras Rosa e boa imagem...eu tb tenho esse quadro o acho lindo e inebriante.O tempo passa rápido e nos perguntamos se o perdemos ou se fizemos o que realmente queriamos.São lembranças sempre que tem um cheiro ausente ou especial que sentimos de vez em quando.Beijuuss

Luc disse...

Oi! Como você me visitou ...resolvi te conhecer!

Noossa! Salvador Dali e Álvaro de Campos. Já gostei de você!

bjoks

Luc

Som Do Silêncio disse...

Lindo...
É comum esses acontecimentos.

Uma Beijoka